terça-feira, 17 de julho de 2018

DISCIPLINA: Intelectuais, política e descolonização epistêmica no continente africano.

* O plano de curso pode sofrer ainda alguns ajustes pontuais até o inicio da disciplina
* Alguns textos já tem links (marcados em amarelo). Haverá também uma pasta no 9º Andar na xerox do Denilson
* Previsão de início: 15 de Agosto (Quarta-feira das 09 às 13:00 horas) na sala 9006 A


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA – IFCH
DISCIPLINA: Intelectuais, política e descolonização epistêmica no continente africano.
PROF: Dr. Washington Santos Nascimento



I.                   EMENTA
Intelectuais e Pensamento Social africano: teorias e conceitos. A construção de uma intelectualidade africana: o papel da tradição oral, do pan-africanismo e da negritude. Intelectuais, política e descolonização epistêmica na África pós-colonial: da crítica aos essencialismos ao debate sobre feminismos.



II.                OBJETIVOS
·         Fazer uma discussão sobre o processo de produção de conhecimento que parta do continente africano (ou de seus descendentes).
·         Teorizar sobre a África a partir de um olhar intravertido que se preocupe com temas e questões do continente e de seus habitantes.
·         Pensar o processo de libertação colonial e descolonização do conhecimento.



CRONOGRAMA E BIBLIOGRAFIA


QUESTÕES INTRODUTÓRIAS

NGOENHA, Severino. Historicidade e etnicidade In: NGOENHA, Severino. Das Independência às Liberdades.  Maputo:Paulinas,2014

MENESES, Maria Paula G. Os espaços criados pelas palavras – Racismos, etnicidades e o encontro colonial. In: GOMES, Nilma Lino (Org.). Um olhar além das fronteiras: educação e relações raciais. Belo Horizonte: Autêntica, 2007, p. 55-76.


I – INTELECTUAIS  E PENSAMENTO SOCIAL AFRICANO: APROXIMAÇÕES

CARVALHO FILHO, Silvio de Almeida e NASCIMENTO, Washington Santos. Intelectuais das Áfricas: aproximações e Palavras Finais In: CARVALHO FILHO, Silvio de Almeida & NASCIMENTO, Washington Santos. (Org.). Intelectuais das Áfricas. 1ed.Campinas/SP: Pontes Editores, 2018, v. , p. 17-36.


ELA, Jean-Marc. Restituir a história às sociedades africanas, promover as Ciências Sociais na África. Lisboa: Mangualde (Portugal); Luanda (Angola): Edições Pedago; Edições Mulemba, 2011. (cap. II e III).

Complementar:





II -  INTELECTUAIS: ENTRE MEMÓRIA E HISTÓRIA

Memória e Oralidade: diálogos com Amadou Hampate Ba e Ana Mafalda Leite

Obrigatória:


LEITE, Ana Mafalda. Oralidade na produção e crítica literárias africanas In: LEITE, Ana Mafalda. Oralidades & escritas pós-coloniais: estudos sobre literaturas africanas. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2012.

Complementar


2.2 -  A construção de uma história para o continente africano: de Cheick Anta Diop a Joseph Ki-Zerbo

KEITA, Boubakar Namory. A ruptura epistemológica nas obras de Cheikh Anta Diop In: KEITA, Boubakar Namory.  Cheikh Anta Diop: contribuição endógena para a escrita da história do continente. Editorial NZILA. Luanda: 2008.



BOTELHO, Guilherme.; BARBOSA, Muryatan.; SAPEDE, Thiago. A perspectiva africana de Joseph Ki-Zerbo. In: MACEDO, J. R. O pensamento africano no século XX. SP: Outras expressões, 2016, p.111-139.

KI-ZERBO, Joseph. “As tarefas da história na África” In: KI-ZERBO, Joseph. História da África Negra – I. Publicações Europa América, 1999, pp. 9-39.


Complementar:



III – INTELECTUAIS E DESCOLONIZAÇÃO EPISTÊMICA

3.1. Tradição x modernidade ?

RANGER, Terence, “A invenção da tradição na África colonial”. In: HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence (org.), A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012. p. 262 - 326

(*) MENESES,Maria Paula Meneses.  Os sentidos da descolonização: uma análise a partirde Moçambique. OPSIS (Online), Catalão, v. 16, n. 1, jan./jun. 2016,p. 26-44.


3.2- Repensar Etnia e Raça: diálogos com Jean-Loup Amselle, Elikia M’Bokolo e Achille Mbembe

AMSELLE, Jean-Loup. "Introdução" e "Etnias e espaços: para uma antropologia topológica" In: AMSELLE, Jean-Loup e M'BOKOLO, Elikia (coord.),Pelos Meandros da Etnia. Etnias, Tribalismo e Estado em África, Luanda, Edições Mulemba, Edições Pedago, 2014, pp. 23-54.


Complementar:


MACEDO, José Rivair. Achile Mbembe: imaginação, poder e cosmopolitismo a partir da África In: CARVALHO FILHO, Silvio de Almeida & NASCIMENTO, Washington Santos. (Org.). Intelectuais das Áfricas. 1ed.Campinas/SP: Pontes Editores, 2018, v. , p. 17-36.


3.3 - Pan-africanismo e negritude revisitadas: de Wole Soyinka a Kwamme Appiah

REIS, Eliane Lourenço de Lima. Por uma literatura africana In: REIS, Eliane Lourenço de Lima. Pós-colonialismo, identidade e mestiçagem cultural: a literatura de Wole Soyinca. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.

APPIAH, Kwame Anthony. “A invenção da África “,  “Ilusões de raça”. In: APPIAH, Kwame Anthony. Na Casa De Meu Pai. A África na Filosofia da Cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.


3.4 – Valentim Mudimbe: políticas de representação e desconstruções epistêmicas.

MUDIMBE, V. Y. A invenção de África. Gnose, Filosofia e a Ordem do Conhecimento. Luanda : Edições  Mulemba; Mangualde (Portugal): Edições Pedago, 2013.

MUDIMBE, V. Y. A ideia de África.  Lisboa: Edições Pedago; Luanda: Edições Mulemba, 2013.

Bibliografia complementar:

MATTOS, Regiane A.  Percursos translocais: Valentim Mudimbe e o pós-colonial In: CARVALHO FILHO, Silvio de Almeida & NASCIMENTO, Washington Santos. (Org.). Intelectuais das Áfricas. 1ed.Campinas/SP: Pontes Editores, 2018.



3.5 - Da política em tempos de miséria a necropolítica: diálogos com Achille Mbembe

MBEMBE, Achille. A política em tempos de miséria In MBEMBE, Achille. África Insubmissa. Cristianismo, poder e Estado na sociedade pós-colonial. Mangualde; Ramada: Edições Pedago; Luanda: Edições Mulemba, 2013.


3.6 – Gênero e Feminismos nas Áfricas





Complementar:



domingo, 28 de fevereiro de 2016

Plano de Curso: História da África 2017.1

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS
DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA
Disciplina:  História da África
Docente: Washington Santos Nascimento
Blog: africauerj.blogspot.com.br



EMENTA

A Historiografia sobre a África. As ações européias em África e a resistência africana. A Colonização: métodos, instituições e repercussões sociais. A África e as Guerras Mundiais.  O movimento de Descolonização. O Estado e a Sociedade no Pós-Colonial Africano. A questão da unidade africana e a O.U.A. A explosão demográfica, a questão da fome, da saúde e dos refugiados. África e a cultura: religiões, educação, artes e literatura. As Relações entre tradição e modernização. Os hibridismos culturais.

OBJETIVO GERAL

Traçar um amplo panorama da história da África oferecendo ao discente o debate dos temas básicos para o entendimento da história do continente.

Objetivos específicos
·         Fazer uma análise sobre os Yorubás e Bantos, povos fundamentais para a formação do povo brasileiro.
·         Entender o continente de finais do século XIX até o século XX a partir de três eixos básicos: colonialismo, resistências e independências
·         Perceber as resistências dos africanos a presença europeia enquanto um processo ininterrupto, complexo e dinâmico.
·         Analisar o pós independência a partir do direito a autodeterminação dos povos africanos.


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I

I - Questões teórico-metodológicas:
1.1 - O roubo da História e a construção de uma história africana

II - África Antiga e pré-colonial
2.1 -Povos Yorubás
2.2 - O Reino do Congo e os falantes do Kimbundu

III. Escravidão na África, Tráfico negreiro e redes de comércio.

IV. O Imperialismo e a partilha da África


UNIDADE II

V - África colonial
5.1 - Estudo de Caso: o Colonialismo português em Angola

VI - Os movimentos de resistência ao colonialismo europeu.
6.1 - Pan-africanismo e negritude e nacionalismo

VII - Os processos de independência
As “transições negociadas” e as “transições violentas”

VIII - O Pós-independência: do “afro-pessimismo” ao “renascimento africano”.


PROGRAMAÇÃO E BIBLIOGRAFIA

HÁ LINKS EM ALGUNS DOS TEXTOS

Semana 1 : O roubo da História e a construção de uma história africana

GOODY, Jack. O Roubo da História. Como os Europeus se Apropriaram das Ideias e Invenções do Oriente. São Paulo, Contexto, 2008 (Introdução e Parte I)



Semana 2: Povos Yorubás


Semana 3: O Reino do Congo e os falantes do Kimbundu



Semana 4 e 5: Escravidão na África, Tráfico negreiro e redes de comércio.

HENRIQUES, Isabel Castro. Reflexões sobre o “escravo” africano In: HENRIQUES, Isabel Castro. O pássaro do mel. Estudos de. História Africana - Edições Colibri, 2003

THORNTON, John K. “O processo de escravidão e o comércio de escravos”. In: THORNTON, John K. A África e os africanos na formação do mundo Atlântico (1400-1800). Rio de Janeiro: Campus, 2004


Semana 6: O Imperialismo e a partilha da África

HERNANDEZ, Leila Maria G.L. A África na Sala de Aula: uma visita à história contemporânea. São Paulo: Selo Negro, 2005. (Capítulo 2: O Processo de “Roedura” do Continente e a Conferência de Berlim), pp.45-69.

ACHEBE, Chinua. O Mundo se despedaça. Traduzido por Vera Queiroz da Costa e Silva. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. (Cap 16, 17 e 22)


Avaliação 1

Semana 7: África colonial

COOPER, Frederick.Conflito e Conexão: Repensando a História Colonial na África. In: Anos 90.Revista de Pós-Graduação em História. Trad. Doris Vetton Rosa. UniversidadeFederal do Rio Grande do Sul. vol. 15, número 27, 2008.

M’BOKOLO, Elikia. Administração colonial: contradições e coerências In: M’BOKOLO, Elikia – África negra. História e civilizações. Tomo II. 2ª Edição, Lisboa, 2012.


Semana 8 e 9: Estudo de Caso: o Colonialismo português em Angola

CONCEIÇÃO NETO, Maria. "Breve Introdução histórica". In: MEDINA, Maria do Carmo: Processos políticos da luta pela independência. Luanda: Faculdade de Direito UAN 2003: pp. 15-30
. ______. Angola no Século XX (até 1974). In: ALEXANDRE, Valentim. O Império Africano (séculos XIX e XX). Lisboa: Edições Colibri, 2000. 175-195. 


Semana 10: Os movimentos de resistência ao colonialismo europeu.


M’BOKOLO, Elikia. Capítulo VI. Os caminhos da emancipação In: M’BOKOLO, Elikia. África negra. História e civilizações. Tomo II. 2ª Edição, Lisboa, 2012.

RANGER, Terence. Iniciativas e resistência africanas em face da partilha e da conquista. IN: BOAHEN, Albert Adu (editor). História Geral da África. Brasília: UNESCO, 2010.


Semana 11 e 12 : Pan-africanismo, negritude e nacionalismo

HERNANDEZ, Leila Leite. O pan-africanismo In: HERNANDEZ, Leila leite. África na sala de aula: visita à história contemporânea. São Paulo, Selo Negro. 2008.



Semana 13: Os caminhos para a independência

VIEIRA, José Luandino. A vida verdadeira de Domingos Xavier. São Paulo: Ática, 1977.


Semana 14: As independências:  “transições negociadas” e as “transições violentas”

HERNANDEZ, Leila. A África na sala de aula. Visita à História Contemporânea. São Paulo: Selo Negro, 2008. (“A predominância da transformação pacífica: Gana, Nigéria, Gâmbia e Serra Leoa” e “A desagregação do império francês e o ambiente histórico”).

HERNANDEZ, Leila. A África na sala de aula. Visita à História Contemporânea. São Paulo: Selo Negro, 2008. (“O impulso revolucionário na África setentrional”, “A falsa reciprocidade e os processos revolucionários” e “O sistema colonial em questão”).

Semana 15: O Pós-independência: do “afro-pessimismo” ao “renascimento africano”.





CRITÉRIOS AVALIATIVOS

Avaliação 1: Prova


Avaliação 2: Produção áudio visual a ser postado no facebook da disciplina de um tema do século XIX e XX na África. 

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Eletiva - Áfricas: literatura e história

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA
Disciplina:  Áfricas: literatura e história
Prof: Washington Santos Nascimento
Email: washingtonprof@gmail.com


EMENTA:

História, literatura, entre - lugares e locais da cultura. Memória e oralidade na literatura africana. Escritor enquanto intelectual. História, memória e literatura na Nigéria e em Angola. Chinua Achebe. Luandino Vieira.



OBJETIVOS

·         Por o aluno em contato com discussões relativas a literatura africana enquanto um espaço de história e memória.
·         Entender dimensões da história colonial e da resistência anti-colonial nigeriana e angolana através de dois de seus principais autores Chinua Achebe e Luandino Vieira.


CRITÉRIOS AVALIATIVOS

·         Produção de um artigo científico (normas da ABNT) sobre uma das obras literárias analisadas na disciplina. Mínimo 15 e máximo 30 páginas. Duas datas de entrega (meio e fim do semestre). Correção e debate coletivo depois da primeira entrega.



PROGRAMAÇÃO
* Colocamos links em alguns textos.

I - História, Literatura, entre-lugares e locais da cultura.

ALBUQUERQUE JÚNIOR,  Durval Muniz de.  A hora da estrela: história e literatura, uma questão de gênero? In: ALBUQUERQUE JÚNIOR,  Durval Muniz de.  História: a arte de inventar o passado. Bauru: Edusc, 2007, p. 43-51.

LIMA, Luiz Costa. “A historiografia frente aos princípios de realidade, causa e ficção” In: LIMA, Luiz Costa. História, ficção, literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2006, 152-158. 


REIS, Eliane Lourenço de Lima. O entrelugar do discurso africano e Por uma literatura africana In: REIS, Eliane Lourenço de Lima. Pós-colonialismo, identidade e mestiçagem cultural: a literatura de Wole Soyinca. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.

II - Memória e oralidade na literatura africana.

FONSECA, Maria Nazareth Soares. Literatura e “Arquivos da Memória”: Negociação e Dispersão dos Sentidos. In: SECCO, Carmem Tindó; SALGADO, Maria Teresa; JORGE, Silvio Renato (Org.). África, Escritas Literárias. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; Angola: Editora UEA, 2010.

LEITE, Ana Mafalda. Oralidade na produção e crítica literárias africanas In: LEITE, Ana Mafalda. Oralidades & escritas pós-coloniais: estudos sobre literaturas africanas. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2012.


IV - Estudos de Caso: Nigéria e Angola.

Nigéria

FALOLA, Toyin.; HEATON, Matthew M. "Transition to British colonial rule, 1850–1903" e "Colonial society to 1929" In: FALOLA, Toyin.; HEATON, Matthew M. A History of Nigeria. London: Cambridge University Press, 2008. (tradução livre em português será disponibilizada)

NUNES, Alyxandra Gomes. Chinua Achebe: trajetória intelectual. In: NUNES, Alyxandra Gomes.  Things fali apart de Chinua Achebe como romance de fundação da literatura nigeriana em língua inglesa. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem,  2005.

ACHEBE, Chinua. “A literatura africana como restabelecimento da celebração” e “O mundo se despedaça como material de ensino” In ACHEBE, Chinua. A educação de uma criança sob o protetorado britânico. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

ACHEBE, Chinua. O Mundo se despedaça. Traduzido por Vera Queiroz da Costa e Silva. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
_____.  A Paz dura pouco. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

_____.  A Flecha de Deus. Traduzido por Vera Queiroz da Costa e Silva. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

Angola

NASCIMENTO, Washington Santos. Das Ingombotas ao Bairro Operário: políticas metropolitanas, trânsitos e memórias no espaço urbano luandense. (Angola, 1940-1960). Revista Locus. 2015.

NASCIMENTO, Washington Santos. Homens e mulheres do mato em uma cidade segregada (Luanda, 1940-1960). (No prelo)

NASCIMENTO, Washington Santos. Entre assimilados e mulheres/homens do mato: a busca pelo sujeito nacional em Luandino Vieira. (no prelo).

CHAVES, Rita.  José Luandino Vieira: o verbo em liberdade In: CHAVES, Rita. A formação do romance angolano: entre intenções e gestos. São Paulo: Gráfica Bartira, 1999

VIEIRA, José Luandino. A fronteira do asfalto In: VIEIRA, José Luandino. A cidade e a infância. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. 136 p.

VIEIRA, José Luandino. Vavó Xixi e seu neto Zeca Santos e Estória da galinha e do ovo In: VIEIRA, José Luandino. Luuanda. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. 136 p.

VIEIRA, José Luandino.  A vida verdadeira de Domingos Xavier. São Paulo: Ática, 1977.


BIBLIOGRAFIA


Obras literárias

ACHEBE, Chinua. O Mundo se despedaça. Traduzido por Vera Queiroz da Costa e Silva. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
_____.  A Paz dura pouco. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

_____.  A Flecha de Deus. Traduzido por Vera Queiroz da Costa e Silva. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
VIEIRA, José Luandino. A cidade e a infância. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

_____.  Luuanda. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. 136 p.

_____.  A vida verdadeira de Domingos Xavier. São Paulo: Ática, 1977.


Artigos, livros...

ACHEBE, Chinua. A educação de uma criança sob o protetorado britânico. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

ALBUQUERQUE JÚNIOR,  Durval Muniz de.  História: a arte de inventar o passado. Bauru: Edusc, 2007, p. 43-51.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

CHAVES, Rita. A formação do romance angolano: entre intenções e gestos. São Paulo: Gráfica Bartira, 1999


FALOLA, Toyin.; HEATON, Matthew M. A History of Nigeria. London: Cambridge University Press, 2008.

LEITE, Ana Mafalda. Oralidades & escritas pós-coloniais: estudos sobre literaturas africanas. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2012.

LIMA, Luiz Costa. História, ficção, literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2006, 152-158. 

NASCIMENTO, Washington Santos. Das Ingombotas ao Bairro Operário: políticas metropolitanas, trânsitos e memórias no espaço urbano luandense. (Angola, 1940-1960). Revista Locus. 2015.

_____.  Homens e mulheres do mato em uma cidade segregada (Luanda, 1940-1960). (No prelo)

_____.  Entre assimilados e mulheres/homens do mato: a busca pelo sujeito nacional em Luandino Vieira. (no prelo).

NUNES, Alyxandra Gomes.  Things fali apart de Chinua Achebe como romance de fundação da literatura nigeriana em língua inglesa. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem,  2005.

REIS, Eliane Lourenço de Lima. Pós-colonialismo, identidade e mestiçagem cultural: a literatura de Wole Soyinca. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SECCO, Carmem Tindó; SALGADO, Maria Teresa; JORGE, Silvio Renato (Org.). África, Escritas Literárias. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; Angola: Editora UEA, 2010.